2021 · TOP FINAL DE ANO

As 100 melhores do KPop de 2021 (FINAL)

E chegamos as nossas finalistas desse ano para o prêmio Srsly KPop que nem existe mas eu estou inventando agora. Finalmente veremos as 20 últimas músicas, que também foram as minhas mais adoradas e tocadas nesse ano. Preparem-se para talvez surpresas e muitas emoções na parte final do top 100! (Isso foi exagerado, mas eu gosto de fazer drama, anyway se divirtam comigo e meu top 20)

20º AKMU – NAKKA

Abrimos nosso top 20 com ninguém mais ninguém menos que o Akmu! No ano passado eles não deram as caras por aqui (somente a Suhyun, que também apareceu em uma posição bem altinha com Alien), mas a dupla volta a bater cartão nos meus tops esse ano com Nakka, a colaboração deles com a IU em seu álbum somente com collabs. Se eu disser que não fiquei surpresa com essa música logo de cara estaria mentindo. Mesmo que os dois sempre lancem coisas muito boas, Nakka foi uma ótima surpresa pra quem esperava uma baladinha mais sentimental dos irmãos. A faixa tem pulso e por si só entrega esse sensação de um salto que termina em queda infinita, mas como sempre os vocais deles (combinados com a presença da IU) fazem com que a faixa tome mais poder ainda. É daquelas que escutei poucas vezes mas todas elas sempre me deixaram em plena alegria com o trabalho do Akmu aqui.

19º SHINEE – ATLANTIS

Talvez eu tenha depositado toda a minha fé no repack de Don’t Call Me e talvez seja isso que faça com que Atlantis seja uma música tão boa aos meus ouvidos. SHINee sempre foi um grupo camaleão e isso é indiscutível, mas algo em DCM faz com que eu sinta que ela deveria ter sido uma faixa do grupo, enquanto o exato oposto rola com Atlantis. A música é exatamente algo que eu espero do grupo, com a exploração dos diferentes vocais de cada um dos integrantes e um instrumental que abre essa possibilidade de ver o SHINee sendo somente eles mesmos mais um vez. Isso combinado com a temática debaixo do oceano, que faz desse um dos clipes mais visualmente apelativos do grupo, fazem com que essa faixa seja única e extremamente interessante, mesmo que sejam eles meio que no piloto automático.

18º CHUNGHA – X

Sabe quando você meio que espera nada de uma faixa mas ela acaba te entregando tudo? Pois bem, foi exatamente isso que aconteceu comigo e X, o último single pré release do Querencia. A faixa desde seus primeios teasers meio que afirmava que seria algo mais melancólico e puxado para uma balada vocal, o que ninguém esperava é que a Chungha pegaria uma simples balada e transformaria ela em uma obra de arte que explora algo mais intímo dela e aborda algo que provavelmente aconteceu no passado da cantora. X é uma música que expressa perfeitamente a frase “que me amasse no meu pior se for me querer no meu melhor”, que é algo muito clichê e até meio cringe de acordo com que escrevi no post solo sobre, mas é exatamente isso que dá a tonalidade a música e a como a Chungha leva essa mensagem. Essas expressões mais abertas dela geralmente se saem muito bem, e X é um ótimo exemplo disso.

17º HWASA – I’M A B

E eu jurando que Hwasa não daria as caras esse ano com mais uma música solo e saí com um belo de um tapa na minha cara. Não é lá muita novidade que eu sou meio suspeita para falar das músicas da nossa grande gostosa, eu geralmente gosto de tudo que ela bota pra jogo independente de ser geralmente ela jogando no lado mais safo possível pra ela. I’m a B é exatamente isso, a Hwasa no mais extremo de seu piloto automático mas que ainda é um deleite para a minha pessoa ouvir. Tudo ai é a cara ai, desde o instrumental da música, os vocais e até mesmo a letra da faixa. Mesmo que acabe ficando batido depois de um tempo, eu ainda acho que fazer um comeback por ano e jogar músicas como I’m a B na rodinha faz com que eu sinta segurança e um certo apego a carreira solo da Hwasa.

16º TWICE – F.I.L.A

Twice pegando top 20 de novo E inclusive na mesma posição do ano passado sem eu ter visto antes! Será que Twice sofre de uma maldição aqui no blog? De qualquer maneira, Scientist foi legal e tudo mais mas ela passa longe de ser a melhor faixa desse novo álbum do Twice. Tem várias que consegue passar por cima dela, mas se você não curtiu FILA eu tenho péssimas notícias: ela É a maior. Como eu disse lá no meu álbum review, a faixa me lembra algo que eu teria visto no álbum DISCO da Kylie Minogue, que foi um dos meus favoritos de artistas ocidentais no ano passado, e só isso faz com que essa música ganhe todo o prestígio na minha playlist. Esse instrumental poderoso puxado para o retrô, juntamente com os vocais que fazem com que a FILA somente ganhe MAIS PODE AINDA. Não sei como Twice fez isso aqui, mas elas fizeram o nome delas esse ano com UMA B-SIDE.

15º PURPLE KISS – ZOMBIE

Purple Kiss quase que foi meu rookie favorito desse ano se não fosse outra presença de outro girlgroup que tomou conta da minha playlist. As meninas tem vocais ótimos e músicas espetaculares, e um ótimo exemplo depois de Ponzona que ficou lá atrás é a divertidíssima Zombie! Claro, é mais um comeback que foi relativamente próximo ao Halloween e então decidiram pegar algo de terror e… fazer um treco mais escrachado? Deve ser essa palavra mesmo. Enquanto Ponzona tinha um conceito mais sério, Zombie pega tudo construído ali e joga pela janela, pegando um ritmo mais funky e trazendo uma das melhores wordplays que eu ouvi em algum tempo em uma música. Os vocais estão maravilhosos, o instrumental está impecável, mas é uma música menos séria pra você se divertir ouvindo, e isso funciona tão bem quanto o debut oficial das meninas.

14º PIXY – MOONLIGHT

Pixy bater cartão nesse top 100 já era algo que eu não esperava de jeito nenhum lá no debut delas, agora elas aparecerem DUAS VEZES e uma delas no top 20????? Ai eu NUNCA imaginaria, mas o que dizer de Moonlight que deve ser o melhor treco que essas meninas já desovaram eim? Ela sai um pouco da linha dos lançamentos do grupo, diferentemente de Bewitched (que também apareceu por aqui), com essa vibe um pouquinho mais puxada pra algo mais leve e fácil de se digerir. É uma faixa interessante em diversos momentos, mas acho que o que realmente faz com que ela seja tão boa é toda a construção vocal dela, desde os versos onde as vozes seguem perfeitamente o instrumental, o pré refrão com a desaceleração e então a entrega do refrão que é… impecável. Eu nunca imaginaria achar uma pérola dessa nas mãos do Pixy, e é o que faz eu ter esperanças pra elas no ano que vem.

13º AESPA – SAVAGE

Mais uma do aespa, alguém que queira reclamar? Última chance! De qualquer maneira, as meninas tiveram um ano impressionante, e Savage é uma prova de como o primeiro viral alavancou elas em tudo, levando essa a ser a primeira faixa das meninas a ter um Perfect All-Kill e a sair limpando os music shows. Savage pega tudo o que deu certo em lançamentos anteriores das meninas e joga num liquidificador para que se torne algo mais limpo e consistente. A faixa ainda tem trocas meio brutas de um ritmo para o outro, mas tudo mais suavizado, fazendo com que ela seja mais fácil de se digerir. Isso combinado com o fato de não conseguir se levar muito a sério em muitos momentos faz com que Savage tenha se tornado uma das queridinhas do pessoal fora da fanbase. É uma faixa que eu gosto bastante e mostra que o aespa tá ai pra revirar o que eu gosto ou não de ponta cabeça.

12º DREAMCATCHER – WIND BLOWS

Mais um grupo que no momento que aparece a primeira vez não para mais é o Dreamcatcher. Esse ano infelizmente não tivemos títulos delas entrando no top 20, mas tivemos Wind Blows fazendo sua carreira aqui no blog! Estando entre as minhas mais tocadas desse ano, a faixa meio que tomou conta de mim e da minha vida esse ano. Esse estilo mais puxado para o cyberpunk e mesclado com uma abertura de anime somente funciona e muito bem com o grupo, que entrega Wind Blows do jeito que somente o Dreamcatcher poderia fazer. Cada momento disso aqui é incrível e extremamente bem feito, as meninas dão uma emoção incrível a faixa com seus vocais, o instrumental que vezes é gentil e vezes é mais bruto é somente maravilhoso… Sério, se ouviu Wind Blows e não gostou tu ouviu errado, vai ouvir DE NOVO.

11º TAEYEON – WEEKEND

Taeyeon já apareceu por aqui com uma faixa do ano passado, mas vocês realmente achavam que eu deixaria Weekend de fora do meu top? Ainda mais depois de tanto puxar o saco dela quando foi lançada? Pois bem, vocês me conhecem bem e sabem que eu seria uma puxa saco dos infernos de novo com ela. Eu até entendo a certa raiva da SM estar pegando faixas que fizeram sucesso no ocidente e pedindo para seus produtores emularem, principalmente quando estamos falando dos produtos de seus solistas, mas eu não posso reclamar quando estão emulando algo que eu gosto, posso? Weekend acaba seguindo um estilo bem puxado para Say So, da Doja Cat, que é outra música que eu gosto. A faixa é gostosa, não se esforça pra ser algo extraordinário e eu sinceramente sempre preciso de algo equilibrado assim. Taeyeon fez tudo e mais um pouco por aqui (menos o rap, aquilo ela só tentou mesmo).

10º CHUNGHA – KILLING ME

E abrindo o top 10 temos ninguém mais ninguém menos que ela mesma, Chungha. Ano passado ela pegou duas posições do top 10 e pelo visto vai ser consistente pelo menos uma faixa da gata aparecendo por aqui. Killing Me saiu nos 45 do segundo tempo, mas foi uma surpresa um tanto quanto agradável da Chungha perto do final desse ano, no qual eu realmente pensei que não veriamos mais ela. A música pega um tom mais melancólico, mesmo que com um instrumental mais ritmado, e faz com que funcione. Chungha bota mais uma vez seus sentimentos pra fora na formar de uma música incrível que te pega pelo braço e faz a repetir por diversas vezes. Mesmo com o Querencia e ele sendo um ótimo álbum, não sei, existe sempre uma qualidade tão grande nos singles da solista que eles sempre saem ganhando comigo.

9º SHINEE – CØDE

Eu elogiei TANTO essa faixa quando esse álbum saiu que seria até falta de vergonha na cara da minha parte se ela não aparecesse por aqui. Don’t Call Me não teve a melhor título possível, mas em termos de b-sides ele foi impecável, e CODE funciona como exemplo primario disso. A primeira vez que escutei ela me jogou em um loop de nostalgia intenso, me jogando para lançamentos mais antigos do grupo, mais especificamente Sherlock. Ela tem as mesmas vibes dessa faixa e ambas parecem se complementar maravilhosamente bem em todos os quesitos, desde os intrumentais até mesmo a letra da música. Escutar CODE é quase como se os meninos te levassem de volta no tempo e mostrassem um pouco do SHINee no começo de carreira, e é por isso que ela é tão incrível.

8º ONEUS – LUNA

Eu já tinha dito isso lá atrás com Hwaa e com a b-side da Heize, mas se tem um estilo musical ao qual eu tenho um enorme fraco esse estilo é o tradicional. Oneus já tinha explorado o estilo antes, mas não foi exatamente o comeback mais marcante do grupo, além de que faltou alguma coisa. Essa coisa que faltava pareceu vir com mais intensidade em Luna, último comeback do Oneus nesse ano e com certeza o melhor desde o debut dos meninos com Valkyrie. A utilização perfeita dos elementos tradicionais mesclados com algo mais moderno no instrumental, que causam essa sensação de melancolia e de algo escapando rapidamente de suas mãos, juntamente com toda a construção vocal dentro da música fazem com que Luna seja uma faixa extremamente única em diversos pontos. Eles queriam nos levar numa viagem com essa faixa e conseguiram isso e muito mais!

7º STAYC – ASAP

ASAP foi uma música que, de início, me causou extremo estranhamento. Era o STAYC saindo completamente do som de seu debut, que era uma música muito boa por si só, e experimentando uma sonoridade mais doce, mesmo que sem exageros. Demorou um pouco mas algo nessa obra grudou em mim igual chiclete, num ponto que eu me peguei escutando ela mais vezes do que deveria (e ela entrando no meu top 10 de músicas mais escutadas do ano!!!!!!). E hoje, depois de escutar umas trocentas vezes, eu realmente adoro todos os detalhes de ASAP como uma música divertida mas que procura dois pontos diferentes para funcionar (os vocais mais leves das meninas e um bass muito marcado no fundo do instrumental). É uma daquelas músicas que cresce na gente sem que a gente espere e foi um hinozinho do STAYC esse ano, tanto é que foi a porta de entrada pro sucesso delas na Coreia.

6º PURPLE KISS – CAN WE TALK AGAIN

Eu já elogiei tantas faixas principais do Purple Kiss por aqui, mas de jeito ou maneira Can We Talk Again poderia escapar desse top 100. Outra música que teve uma quantidade ENORME de plays na minha playlist e entrou no meu top 10 de mais escutadas. A música pré debut do grupo da RBW, irmãzinhas do MAMAMOO, é uma obra de arte acima de tudo que as meninas lançaram esse ano. Não por nada, Ponzona e Zombie são ótimas músicas por si só, mas tem algo no poder que Can We Talk Again carrega que faz com que ela seja extremamente forte por si só. Foi uma demonstração de vocais do grupo (mesmo que nem todas as integrantes estejam cantando aqui) e mostrou perfeitamente o potencial do grupo, com uma música intensa e cheia de sentimentos. Can We Talk Again é uma música meio surpresa pra esse top 10 daqui, mas pra mim não tinha como ela estar de fora dele.

5º BIBI – PADO

Aparecendo pela quarta vez por aqui, eu já enchi a BIBI de elogios por todo o trabalho dela esse ano, mas não tem como, Pado deve ser o suprassumo de tudo que ela jogou na rodinha em 2021. A gente combina aqui tudo o que funciona com os vocais dela, uma música com uma sonoridade leve porém interessante e uma letra que… é levemente questionável em diversos momentos. Isso combinado com o clipe, que não deve ter tido quase nada de orçamento mas toda a vontade de fazer uma coisa com duplo sentido e BAM a obra de arte da solista. Não sei vocês, mas a primeira vez que escutei Pado eu fui completamente sugada por ela, quase afogada se funcionar com toda a temática de sereia. Tem algo aqui que somente clica com você no exato momento que você escuta a primeira vez, e faz com que você repita e repita a faixa pelo menos umas trocentas vezes por dia.

4º KEY – BAD LOVE

Do mesmo drama da SM roubando demos de artistas ocidentais para fazer músicas pros seus solistas, temos aqui a demo que foi uma cópia de Blinding Lights do The Weeknd. Novamente, eu vou reclamar de Bad Love ser essa faixa em todos os aspectos? Não, eu AMO Blinding Lights, então quem saiu ganhando nessa aqui foi o Key com essa música maravilhosa. E eu já disse antes, eu amo o trabalho solo do Kibum, eu realmente gosto de tudo o que ele traz pras faixas, os vocais do menino, que pode não ser o melhor do SHINee mas eu simplesmente amo de paixão. E o jeito que Bad Love é uma música poderosa, com instrumentais fortes e o Key se entregando completamente com seus vocais, isso me dá tudo que eu poderia pedir do trabalho dele como solista, e eu fico extremamente feliz de ver faixas tão boas assim caindo nas mãos de artistas que realmente sabem o que fazer com elas.

3º BILLLIE – RING X RING

As novas meninas do Mystic Story abrem o nosso top 3 depois de saírem atropelando tudo e todos nesse top 100 com uma música de debut um tanto quanto controversa. A maioria achou RING X RING algo bagunçado, com a sonoridade e mixagem um tanto quanto pobres e uma música extremamente lugar comum. E eu? Eu discordo com todas as minhas forças e acho que a Mystic sabia exatamente o que queria e como entregar tudo isso em uma música. O sentimento de urgência com as sirenes nos versos, os toques levemente creepy dos vocais mais doces as vezes e o refrão que é indescritível… Eu sinceramente ainda estou apaixonada com o debut do Billlie e elas provavelmente serão minhas rookies favoritas de 2022 se prosseguirem lançando música boa desse jeito. RING X RING é um convencional não convencional, que brinca de quebrar expectativas e faz isso muito bem, e é exatamente isso que faz com que elas apareçam aqui no terceiro lugar entre as músicas de 2021.

2º DREAMCATCHER – WHISTLE

Já se tornou obrigatório o Dreamcatcher bater cartão em posições altas aqui no blog, não tem jeito, eu sou extremamente suspeita e as meninas sempre lançam músicas boas demais pra ser verdade. Esse ano elas pegam segundo lugar com Whistle, b-side do Summer Holiday e a música das meninas nesse ano que mais me pegou de jeito. Tudo aqui funciona de um jeito que vai te fazer adorar cada segundo que essa música estiver tocando nos seus fones, os vocais das meninas que trazem essa sensação de anseio por algo, que se encaixa perfeitamente com a letra da música, o ritmo da música, que intensifica no segundo verso e com a entrada PERFEITA do rap aqui… Whistle não tem lá muito a ver com o que o Dreamcatcher lança em suas títulos, mas não deixa de ser uma faixa maravilhosa e que funciona muito bem com o grupo.

Agora ao primeiro lugar, que desbancou o Dreamcatcher de seu reinado de dois anos recebendo primeiro lugar por aqui. Uma música que provavelmente vai fazer com que metade queira cair no soco comigo pelas minhas escolhas, mas com certeza a minha música favorita lançada esse ano:

1º AESPA – NEXT LEVEL

Sim, eu vou ser a do contra e vou colocar Next Level, a música que fez com que a blogosfera inteira quisesse explodir a SM junto com o aespa, a música que 90% da fanbase internacional estranhou e achou bagunçada, justamente em primeiro lugar. E não é porque eu sou teimosa não, na verdade eu sou bem contra ficar sendo teimosa com esse tipo de coisa, mas Next Level pega seu primeiro lugar no meu top 100 justamente por ter crescido em mim organicamente e ter se tornado um vício enorme pra mim. Eu ainda acho que toda a entrega nela é melhor que em Savage, que preferiu seguir um estilo mais orientado pro trap/hyper pop. Eu amo CADA partezinha em Next Level, os versos maravilhosos e o refrão chiclete, a troca estranha a partir do segundo verso e então a terceira troca com a naevis para que logo a música voltasse pro seu andar do começo. Não é a toa que a música se tornou um viral absurdo na Coreia, sendo até “proibida” em época de provas por conta de ser um earworm ENORME. Cada vez que você escuta Next Level ela fica melhor, coisa que eu achava que poderia parar depois de escutar pelo menos umas 100 vezes, mas não, ela só melhora. Que o aespa prossiga me dando esses bops estranhos mas funcionais que elas tanto amam fazer e que eu tanto adoro ouvir!

E é com o aespa estando em um outro nível que terminamos o nosso top 100 de 2021! Esse ano para o blog foi, infelizmente, um pouco mais parado. Eu tive um monte de motivos, principalmente pessoais, para sumir um pouco e isso afetou bastante tudo por aqui. De qualquer maneira, eu não poderia deixar de participar dos aguardados tops de final de ano e deixar minha marquinha por aqui.

Eu espero que em 2022 eu possa estar um teco mais presente e funcional para o Srsly KPop, e poder continuar a chata nojenta com música de sempre. De qualquer maneira, depois desse eu dou a pequena pausa de final de ano e somente volto em Janeiro!

Um ótimo 2022 para todos! ❤

Outras partes: [100-81] [80-61] [60-41] [40-21] [20-1]

Publicidade

12 comentários em “As 100 melhores do KPop de 2021 (FINAL)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s