2021 · TOP FINAL DE ANO

As 100 melhores do KPop de 2021 (PARTE 1)

Ah sim, o final de ano… já fazem cinco anos que chegando nessa época eu sento na frente do meu computador e dedico toda a minha paciência e saúde mental para o tão esperado top de final de ano. Esse ano, porém, temos uma pequena novidade: o blog digievoluiu e eu decidi deixar de preguiça e finalmente transformar o meu top 50 em um top 100 volumoso e que, para a surpresa de zero pessoas, deu mil vezes mais trabalho do que eu sequer imaginava. Se eu já suava separando 50 opções, agora com 100 eu fiquei pensando o quanto 2021 não foi tão proveitoso no quesito música (novamente, ninguém surpreso com esse quesito), então foi um trabalhão separar o que viria aqui ou não.

Como todo ano, antes de dar início a coisa toda eu vou deixar bem claro que esse top se baseia na minha opinião, então se alguma coisa que você em particular gostou não apareceu por aqui ou eu não gostei ou simplesmente não achei lugar para isso nessa lista. Eu também quero deixar bem claro que aqui somente teremos lançamentos de KPop em coreano, sem contar singles japoneses ou qualquer outra coisa. A lista será feita sempre de 20 em 20 posições, com um total de 5 partes.

Com isso em mente peguem vossas pipocas, fiquem confortáveis e vamos para a primeira parte!

100º WENDY – LIKE WATER

Quando a Wendy decidiu encarnar o seu lado gospel e country lançando Like Water justamente em seu debut solo E volta aos palcos depois do acidente, eu acho que bastante gente acabou ficando meio decepcionado (até mesmo eu, que queria outra coisa vindo dela), mas Like Water é o tipo de música que eu não consigo achar ruim, ela só é meio que uma coisa de momento: tem dia que você tá afim de escutar uma coisa meio fossa e tem dia que quer ouvir um farofão safado. Esse debut solo não é ruim, eu gosto da calma que ele me passa, mas é aquilo: poderia ser melhor? Com certeza, mas dá pra gostar de Like Water sem forçar a barra demais.

99º ROSÉ – ON THE GROUND

Outro debut solo que meio que me decepcionou mas não necessariamente é ruim, na verdade de todos os solos do BlackPink até hoje o que mais me agrada de ouvir é On The Ground. A voz do Rosé funciona bem com a obra toda, eu gosto bastante dos versos, mesmo que o refrão seja levemente broxante, mas nada que me faça realmente odiar essa música. É um solo que combina bem com a cantora e entrega bem toda a parte vocal da Rosé, que funciona extremamente bem com todo o ritmo disposto nessa coisa toda.

98º LOONA – PTT (PAINT THE TOWN)

Gente, sim, eu sei que todo mundo odeia essa música e eu até entendo vocês porém não posso concordar com todo mundo que desceu o soco nela. Eu gosto (e admito com vergonha que até demais) de PTT, eu acho que foi um acerto do LOONA depois de tanto derrapar nesse estilo sonoro. Eu adoro a sonoridade bollywoodiana do instrumental da música, foi ela o que me fez gostar da faixa logo de cara e o que me fez passar por cima de defeitos como o do refrão (que, inclusive, hoje em dia se tornou algo ok pra mim) de ser só barulho. Só não está mais pra frente na lista porque cara… tem muita coisa bem melhor que ela.

97º NCT 127 – FAVORITE (VAMPIRE)

NCT 127 aparecer nessa lista já pode ser considerado um milagre de natal, acho que dá até pra fazer uma festa pré final do mundo por essa aparição aqui (e outra “mais pra frente”). Mas, vamos ser justos, Favorite é com toda a certeza a título mais agradável do grupo em MUITO tempo. Ela entrega vocais gostosos, um assobio viciante no instrumental e um refrão maravilhoso em todos os quesitos possíveis. Favorite me faz passar por essa mesma sessão de elogios toda vez que escuto ela e provavelmente vamos repeti-la mais algumas vezes. Um ótimo comeback pro 127 que precisava de algo bom assim no catálogo faz algum tempinho.

96º CHUNG HA – BICYCLE

A bíblia da Chungha desse ano faz sua primeira aparição com sua título um tanto quanto… inesperada. Sinceramente, ninguém esperava um número mais virado pro trap na título do fucking Querencia, mas tem algo nessa porcaria que me faz gostar dela. É o tipo de música que a gente escuta pelo meme e hahas mas logo depois se vê voltando pra ela mais do que deveria e gostando da bomba. É aquilo, meu gosto duvidoso essa ano bateu o seu pico e Bicycle pode ser um belo exemplo do primeiro momento onde meu gosto falhou. Oops?

95º STRAY KIDS – SILENT CRY

E quando eu disse mais pra frente ali em cima eu quis dizer “logo em seguida”, com Stray Kids marcando presença por aqui com Silent Cry. Os meninos não fizeram muito por mim esse ano com suas títulos (novidade né?) mas nossa essa b-side é puro ouro que não deveria ter ficado escondido no álbum. A faixa me dá vibes de uma OST de um joguinho em 8bit e eu realmente gosto desse direcionamento sonoro. O instrumental aqui é maravilhoso, combinado com o que deve ser o refrão mais incrível já feito pelo grupo… se você não tinha escutado Silent Cry antes aqui está sua oportunidade, a música é ÓTIMA.

94º CIGNATURE – BOYFRIEND

A Bad Boy da nugulândia bem aqui na nossa frente. Eu nem cheguei a comentar essa aqui mas nossa, depois de esperar um disband do Cignature após elas perderem duas membros fico realmente feliz com elas lançando um bopzinho desses. Boyfriend tem só um defeito: esperar o primeiro refrão para pegar no tranco, mas depois disso a música simplesmente funciona extremamente bem. Os vocais estão maravilhosos nessa aqui (e elas perderam a main vocal!!!! Isso sim é uma vitória) e esse tom mais sóbrio deu muito certo com o grupo. Espero vê-las mais vezes no ano que vem e com músicas tão boas quanto essa.

93º TRI.BE – RUB A DUM

Eu lembro que na review que fiz pra RUB A DUM eu disse que a música poderia ser melhor, e mesmo que minha opinião não tenha mudado muito, eu acabei gostando bastante da direção dessa música, principalmente do instrumental da obra inteiro. Eu gosto muito de como a música em si é tão colorida e isso se passa sonoramente pra você, juntamente com o quão divertida essa título consegue ser. É um ar jovial que funciona e, acima de tudo, dá vida pra coisa toda. RUB A DUM não foi a melhor do TRI.BE esse ano, mas ela foi uma porta de entrada para que eu ficasse com o olho aberto pro grupo.

92º TWICE – SCANDAL

Todo mundo e suas mães sabem o quanto eu desgosto de Alcohol Free. Vir com essa depois de lançar I Can’t Stop Me é pra quebrar minhas pernas de vez. Pelo menos o mini me trouxe uma música bem boa, que é Scandal, que entrega um instrumental viciante com os vocais extremamente bem feitos por ela. É aquilo, pra eu gostar 100% do trabalho vocal de uma faixa do Twice ele tem que estar bem acima da faixa, então já sabem o que esperar de Scandal. Uma ótima b-side e eu bem que gostaria de ver o Twice trazendo músicas desse nipe para suas títulos.

91º WHEE IN – WATERCOLOR

Eu digo e repito: Whee In deveria lançar mais músicas nesse nipe do que as baladinhas mais aguadas que ela lança normalmente para seus solos. Watercolor não só funciona com os vocais da gata, que já são ótimos por si só, mas também funcionam com ela num aspecto geral, que entrega personalidade nessa música inteira. É o tipo de faixa que você tem certeza que foi feita para o artista que está cantando ela, e isso é só a cereja no topo da ótima música que Watercolor é sozinha. Extremamente aproveitável e boa (pena não poder dizer o mesmo do resto desse single).

90º BRAVE GIRLS – CHI MAT BA RAM

As meninas hit desse ano fazem sua primeira aparição numa colocação não tão alta assim, mas ei, eu posso explicar ok? Chi Mat Ba Ram é um ótimo comeback para as meninas, ainda mais de Rollin’ ter viralizado e trazido highlights para o grupo. Ela segura essa sonoridade meio verão que a gente via alguns tempos atrás no kpop, chegando a ser levemente nostalgica em diversos momentos, e acho que isso era pra ser SIM uma ponte entre esse lançamento e Rollin’. O meu único problema com essa música é que, depois de algum tempo, eu dei uma leve enjoada dela. Nada que matasse, mas sabe né? Faz com que ela caia algumas posições.

89º ITZY – SOOO LUCKY

Primeira aparição do ITZY por aqui e é com b-side (yay?). Sinceramente, esse ano pro grupo foi um tanto quanto fraquinho (ainda mais pensando que ano passado elas pegaram top 3 no meu top de final de ano) com singles que não foram super marcantes e uma título totalmente descartável de ruim. Pelo menos algumas coisas se salvaram e, vocês adivinharam, Sooo Lucky foi uma delas. Essa aqui é uma música bem de romancezinho fofinho que todo mundo meio que espera pra onde vai e é bem clichê nesse ponto. Isso faz com que a música seja ruim? Nem um pouco, ela ainda é a minha b-side favorita do Crazy In Love e provavelmente

88º LIGHTSUM – VIVACE

Cube decidiu debutar mais um girlgroup esse ano pra ver se eles conseguem fazer acontecer antes deles mesmos ficarem de saco cheio de tentar. Dos lançamentos do Lighstum ficou bem claro que a Cube ainda não sabe exatamente onde mirar sonoramente para o grupo seguir, mas pelo menos Vivace saiu como um ótimo comeback para o grupo, com uma sonoridade bem WJSN + IZ*ONE mesmo. Eu gosto bastante dessa combinação meio descarada de dois estilos sonoros que exploram algo mais mágico e isso funciona.

87º IU – LILAC

Acho que Lilac foi um dos primeiros acertos da IU comigo, principalmente quando se fala de títulos, e isso por si só é bastante. A faixa é doce e interessante por diversos motivos, mas principalmente porque dona IU entrega algo interessante na viagem total que é escutar essa faixa e ver o clipe em si. É algo que explora bem os vocais mais agudos dela e, combinados com um instrumental muito bom, fazem com que a música tenha uma ótima estrutura e entregue tudo possível. Um ótimo comeback da IU (ainda mais considerando que gostei de outras coisas do álbum), uma pena que pra isso acontecer de novo vão mais mil anos.

86º SOYEON – BEAM BEAM

Lembram quando a Soyeon se tornou garçonete de uma lanchonete e nos vendeu seu primeiro comeback solo em um bom tempo? Pois bem, eu sou bem da suspeita quando falo do trabalho da gata, porque eu acho ela extraordinária em diversos aspectos, mas BEAM BEAM foi um lançamento um pouco inesperado que foi melhor do que o pedido, sabe? A faixa é divertida, com um letra bem legalzinha e uma faceta extremamente descontraída da Soyeon. BEAM BEAM entrega um rap leve e uma música ótima pra se escutar diversas vezes. Parabéns a Soyeon por… simplesmente ser a Soyeon, né?

85º BIBI – WHY Y

Eu já vou deixando bem claro que a dona BIBI vai aparecer por aqui algumas vezes mais e admitir que esse ano eu acabei me apaixonando por ela e suas obras. Não sei o que rolou, eu só curto a voz da gata e geralmente as faixas dela só funcionam organicamente comigo. WHY Y de todas que saíram esse ano é ótima, mas ainda entre o resto não é a melhor dela entre tudo que ela lançou só em 2021. De qualquer maneira, ritmo ótimo combinado com os vocais deliciosos da BIBI fazem que essa música que beira ser repetitiva somente… funcione. E muito bem.

84º LUNA – MADONNA

A mulher me sai da SM, some do mapa e depois solta DO NADA um single pra ver se o povo ainda lembra dela. O povo pode ter esquecido da ex vocalista do f(x) e, mesmo que eu não seja hiper apegada a Luna, eu ainda gosto muito da voz dela e Madonna foi realmente um acerto bem inesperado da parte dela. É uma faixa bem curtinha que brinca em cima da mensagem de “seja o que quiser mas faça igual a Madonna” e traz um instrumental interessante adornado pela voz dela. Não é uma Free Somebody da vida, mas é boa o suficiente para estar aqui no top 100.

83º PINK FANTASY – TALES OF THE UNUSUAL (기기괴괴)

Mais uma da nugulândia, mas essa está num novo nível de nugu… Pink Fantasy é um daqueles grupos que eu geralmente não boto tanta fé porque num momento elas estão acertando e no outro vem só tristeza atrás de tristeza. Esse ano elas até que se saíram bem, tiveram um lançamento ok com Poison MAS elas levaram tudo a um novo nível com Tales of the Unusual. Sendo um lançamento do Halloween, não dava pra esperar nada mais nada menos que um clipe com visuais aterrorizantes e uma música com uma tonalidade creepy. Isso aqui é o esquema completo para algo ótimo, e foi isso o que rolou com essa faixa. Ela faz com que eu queira botar um pouco mais de fé no grupo, mas teremos que ver elas em 2022 pra isso.

82º YUKIKA – LOVEMONTH

O tanto de solista só nessa primeira parte é um tanto quanto impressionante, e sendo bem sincera nem eu esperava ser quase uma atrás da outra justo agora mas né… Enfim, Yukika é uma das artistas mais completinhas desse ano, com faixas gostosas que se mantém em cima do citypop mas sempre trazem algo a mais e diferente! Um exemplo ótimo é o single que ela soltou no começo desse ano, Lovemonth, que ainda está com fé e força nos servindo um delicioso citypop, MAS temos esses elementos mais mágicos que adornam a faixa e dão um ar novo para tudo. Yukika foi ótima esse ano e eu ela só está tão pra trás por aqui porque eu realmente tenho coisa que escutei mais e curti mais esse ano. Isso não faz com que o trabalho dela não tenha sido tão completo e bom quanto do resto.

81º GWSN – LIKE IT HOT

Minhas outras crias da nugulândia que desde que debutaram sempre batem cartão nos meus tops de final de ano. GWSN é um daqueles grupos que a gente pode confiar que vai nos servir muito bem, nem que seja no quesito b-side. É uma grande pena que o grupo esteja 100% em situação de barril, porque eu teria adorado ter visto elas mais vezes esse ano, ainda mais se entregassem um mini igual o The Other Side of the Moon. Like It Hot, a título desse álbum, resume bem o que dá pra se sentir contanto ao grupo: vocais sólidos e um instrumental esperto e extremamente bem feito, ambos se encaixando numa obra ótima. Mas, para a alegria de muitos, essa não é a única aparição delas por aqui.

E chegamos ao fim das últimas vinte colocadas desse ano. Se eu parasse pra contar para vocês o tanto de mudança de última hora feita nessa parte eu acho que daria pra assustar todo mundo bonitinho. De qualquer maneira, amanhã nos vemos novamente com os próximos vinte lugares na segunda parte do top 100 de final de ano do Srsly KPop!

Outras partes: [100-81] [80-61] [60-41] [40-21] [20-1]

10 comentários em “As 100 melhores do KPop de 2021 (PARTE 1)

  1. E o Stray Kids aleatório solto aí?? Se eu tivesse um blog e fosse escrever um top 100 certeza que o top 10 ia estar com no mínimo 4 músicas do Stray Kids kkkk, e Silent Cry seria uma delas sim. Lindimais

    Outra que concordei totalmente com vc no parágrafo sobre não saber o que houve esse ano que a mulher te conquistou tanto foi a Bibi. Mds, só eu e meu spotify sabemos quanto ouvimos ela, com esse timbre maravilhoso

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s