Música por Música

MÚSICA POR MÚSICA: TWICE – Formula of Love O+T=<3

Eu, em todos esses anos de indústria vital nunca pensei que estaria tão na hype de escrever um música por música do Twice. Chega a ser estranho, porque quem acompanha esse blog a mais tempo sabe muito bem que eu sempre achei a discografia das meninas extremamente fraca e, a cada comeback, eu somente saia pra descer a paulada no grupo. Mas, como eu disse no post de Scientist, meus sentimentos com o grupo mudaram radicalmente desde que o Eyes Wide Open saiu e Twice finalmente me fez gostar de mais de uma música dela, b-sides inclusas.

E, já que eu não fiz review do Eyes Wide Open, eu não poderia NUNCA deixar passar a oportunidade de fazer um música por música completinho de um full álbum do grupo, e que melhor maneira do que começar com o Formula of Love, álbum com 16 faixas (uma sendo reciclada e outra um remix) que as meninas decidiram dropar nesse penultimo mês do ano? Pois bem, como sempre, peguem a pipoca e se preparem porque esse post provavelmente vai ser longo!

1. SCIENTIST

Clique aqui para ver minha review de SCIENTIST!

Eu nem preciso me repetir tanto por aqui, essa música está maravilhosa em todos os aspectos, funciona em todos os aspectos e eu nunca vi eles se utilizarem tão bem dos vocais do Twice em toda a vida delas. Batida incrível combinada com uma das melhores escolhas estéticas do grupo, claro que só poderia dar em algo ótimo, né?

2. MOONLIGHT

Isso aqui parece OST de algum filme de comédia romântica, e poderia ser até um xingamento, mas Moonlight funciona muito bem no que se propoe a fazer, que é ser uma música dançante mesmo que mais chill. Eu pensei que acabaria não curtindo tanto essa aqui, justamente por ser bem o feijão e arroz que a gente poderia esperar do Twice, mas o refrão dela funciona muito bem e faz com que seja fácil de engolir ela

Moonlight funciona como aquelas músicas legais de se escutar de fundo para muitas coisas, ela não é ofensiva aos meus ouvidos e é bem calminha pra deixar tocando. Eu acho que poderia ter algo mais TCHAN nela, pra dar um pouco mais de pulso a coisa toda, mas de qualquer maneira não é ruim, só uma música que eu não salvaria na minha playlist para ouvir todo dia.

3. ICON

DAMN, I GOT IT, I’M ICONIC! Sim Icon, você realmente é icônica! Nossa que música maravilhosa, eu nem sei por onde começar a descrever o quanto eu gostei dessa aqui. E acho que a maior parte da fanbase também deve ter adorado ela, pelo tamanho da hype que eu vi quando vazaram uma parte dela. Eu posso culpá-los de já ter comprado ela de cara? Não posso, ainda mais que o resultado final de Icon é pura e simplesmente INCRÍVEL.

Temos de novo um bass que se marca com força com o andar do instrumental da música, se combinando com outros elementos que dão corpo a coisa toda, explodindo num refrão sensual e com alguém largando um “damn” pra deixar a coisa melhor ainda. Icon funciona por não ser exatamente nada de novo na rodinha, mas por pegar elementos que dão certo no estilo e refinar, dando um poder incrível a música.

4. CRUEL

Eu quero muito dar um abraço ao produtor das meninas que decidiu que queria usar e abusar de baixos e batidas bem marcadas nesse álbum, de verdade, o miserável é um gênio. Chega a ser engraçado porque nos primeiros toques ela te promete algo e logo depois joga tudo pela janela para seguir outro caminho. Cruel não carrega o mesmo poder que Icon, principalmente por serem estilos diferentes, mas tem algo nela que te prende tanto quanto.

Abordando uma sonoridade com um pézinho no retrô, ela me faz querer ir aproveitar uma noite num roller jam para quebrar uma perna enquanto eu finjo que sei andar de patins sem parecer uma tonta. De verdade, é exatamente esse estilo que eu esperaria tocando num lugar desses e, não vou mentir, eu ADORO. Cruel só não é minha favorita do álbum porque outra mais pra frente existe, mas acho que todos deveriam dar amor a ela anyway por ser uma ótima música.

5. REAL YOU

Outra música boa, Twice? Outra música boa, Bruna. Real You sai um pouquinho da linha das últimas duas e tem um ar mais descontraído e divertido, sendo uma música bem gostosinha de se ouvir. Com certeza vai para minha playlist, mas tem alguns problemas nela que provavelmente meus ouvidos terão que se acostumar nas próximas vezes que eu for escutá-la, como os vocais que em alguns momentos não estão tão limpos e me incomodam os ouvidos.

Tirando esse problema com os vocais, que não sei apontar se é da mixagem ou uma escolha estética (porque vindo do Twice pode ser qualquer uma das opções), a música em si é bem interessante. Eu gosto bastante da construção do instrumental, sendo esse o ponto mais forte dela. Com sintetizadores interessantes, misturados efeitos sonoros muito bem colocados e uma batida bem gostosinha Real You entrega tudo no instrumental. Eu só queria que os vocais estivessem um pouquinho melhores.

6. F.I.L.A (FALL IN LOVE AGAIN)

Deus abençoe esse produtor do Twice, de verdade, que instrumental delicioso DE NOVO! FILA é uma música com sonoridade retrô, e vocês sabem muito bem como eu sou cadelinha do estilo e deito para 90% das coisas que seguem ele. FILA poderia facilmente ser algo que saiu do DISCO (Kylie Minogue), ela tem todas as características das músicas daquele álbum que foi um dos meus favoritos lançados aqui no ocidente no ano passado.

Mas claro, dessa vez eu posso e vou elogiar os vocais nessa aqui, principalmente no refrão, onde entregam tudo dessa música. É algo explosivo e incrível de se ouvir, as vozes harmonizam extremamente bem o instrumental do refrão e NOSSA como isso ficou bem feito. Os versos não tem a mesma força (o que é um pouco triste) mas ainda são tão bons quanto o resto da música. A maior stan de FILA, eu mesma.

7. LAST WALTZ

Eu nem tenho palavras para começar a descrever Last Waltz, porque eu ainda estou completamente embasbacada com o nível de produção dela. A construção do instrumental, que começa com cordas e parece calmo, mas marcado, que vai evoluindo numa batida mais intensa no pré refrão com os “DUN DUN DUN” das meninas e finalmente cria forma no refrão é… nossa, somente NOSSA!

É como se essa música te levasse para uma dança dramática, onde a cada momento existe uma troca de mood mais intensa que a anterior, te engolindo a cada momento. Realmente se tem uma palavra para Last Waltz seria INTENSA, ela é extremamente intensa em cada segundo e sim isso aqui é um elogio, que música incrível.

8. ESPRESSO

Quando um conunto da obra funciona tão bem que você não consegue separar as coisas, você só aceita que é só bom mesmo e não vai conseguir descrever tão bem a sensação de ouvir. É isso que acontece com Espresso, onde os vocais e instrumental casam extremamente bem e eu não consigo separar eles pra dissecar a faixa por completo.

De qualquer maneira, eu gosto da vibe mais sóbria que essa música passa, dando um ar de maturidade a cada momento da música. E isso sem inclui tanto no instrumental mais sóbrio quanto nos vocais um pouco mais roucos utilizados pelo grupo. Funciona muito bem e é outra música ótima desse álbum.

9. REWIND

Primeira música mais lentinha do álbum, que eu acho que não necessariamente classificaria como baladinha melosa. Rewind me dá mais vibes de slow pop com requintes de R&B aqui e ali. Eu vou ser bem sincera com vocês, eu nunca fui fã das músicas mais lentas do Twice, porque mesmo que eu não gostasse das b-sides do grupo elas pelo menos tinham um nicho, mas as lentas eram somente bland e sem graça demais.

Isso felizmente não acontece com Rewind, ela tem uma boa produção com um instrumental interessante e os vocais funcionaram muito bem com a proposta principal da música. Ela não é uma música lenta ruim, mas ao mesmo tempo não sei se é algo que iria para minha playlist. É o tipo de música agradável que eu não escutaria por querer, mas se tocasse de fundo eu não ligaria.

10. CACTUS

Baladinha melosa que parece OST de filme de romance/drama que o fandom gosta porque não tem pra onde correr.

11. PUSH & PULL (JIHYO, SANA, DAHYUN)

Pois é, tivemos três músicas de unit nesse álbum, para alegria de muitos. E já vou avisando, a mais agradável das 3 é Push & Pull. Ela bebe da mesma sonoridade meio retrozinha que algumas outras músicas e as vozes das três funcionam muito bem com essa sonoridade, ainda mais sabendo que eu geralmente gosto bastante dos raps da Dahyun e Jihyon e Sana tem vocais agradáveis.

Push & Pull é uma música divertida que segue uma linha bem marcada e entrega exatamente o que se propoe a fazer. Eu não tenho muito mais a acrescentar sobre, ela é somente uma música agradável que com certeza vai pra minha playlist. Parabéns ao trio pela música ótima que ganharam.

12. HELLO (NAYEON, MOMO, CHAEYOUNG)

Deus é mais eu devo ter grudado chiclete na cruz pra ter que lidar com a voz da Momo isso aqui, na boa. Nayeon meus pêsames que te colocaram pra cantar nisso aqui, essa música não combina com teus vocais nem a pau. Hello é a releitura do trio em algo que elas provavelmente roubaram das demos do ITZY, e que provavelmente teria funcionado bem melhor se tivesse ficado com ele.

Não funciona e ponto. Os vocais da Momo eu nem vou falar pra não ser rude, a Chaeyoung não me agrada muito quando se leva a sério como rapper e eu nem sei o que a Nayeon está fazendo aqui. Além do instrumental ser muito ruim, pelo amor de deus eu vou precisar de terapia pra me livrar do trauma de ter ouvido isso aqui.

13. 1, 3, 2 (JEONGYEON, MINA, TZUYU)

Mais agradável que a anterior qualquer outra música poderia ser, mas genuinamente acho que acertaram dando esse estilo pra essa unit. As vozes delas funcionam muito bem com esse estilo e ele não pede nada muito extraordinário de vocais pra dar certo, então simplesmente deu certo e 1, 3, 2 também é uma música boa.

Porém espero que entendam que boa não quer dizer que é algo que eu salvarei, principalmente quando eu achei a música bem, mas bem genérica. Eu ouvi essa mesma música tanto na época que reggaeton tava em alta que hoje em dia se não for um treco extraordinário não funciona comigo, e infelizmente eu vou ter que seguir a vida sem escutar 1, 3, 2 de novo.

14. CANDY

Isso aqui ta o puro suco da discografia mais antiga do Twice, então já sabem o que eu achei né? Ela não é uma baladinha, mas por deus que treco sem graça, ainda mais olhando o contexto desse álbum até agora. Candy parece deslocada no meio de tenta música acima da média, eu realmente não entendo porque enfiar algo desse nipe aqui. É o tipo de música que eu esperaria sendo b-side de um Heart Shaker da vida.

E quando eu falo Heart Shaker não é só pela música realmente parecer uma b-side dessa era obscura do Twice, mas sim também porque ela parece MUITO uma musiquinha de romance pro natal, prontíssima pra ser tocada em shopping incansavelmente. Eu já to cansada agora só de pensar e ouvir essa música, parece até que tive memórias de guerra dos filmes péssimos de natal com essa. Nunca mais tocarei dem Candy, obrigada.

15. THE FEELS

O maior viral desse ano, The Feels, está nesse álbum. O debut americano oficial do Twice é uma earworm tamanho família, sério a primeira vez que escutei The Feels eu achei ela divertida mas eu não esperava que ela cresceria tanto em mim no ponto que no primeiro “You have stolen my heart ah yeah” eu já estaria fazendo a coreografia.

Não tem muito a mais pra eu comentar sobre The Feels (e percebam que ela não tem post próprio porque eu perdi MUITO o timing), somente que vocês escutem e se divirtam tanto quanto eu toda vez que ela toca.

16. SCIENTIST (R3HAB REMIX)

A título só que com um twist. Ficou legalzinho o remix, mas eu prefiro a original.

NOTA FINAL DO ÁLBUM: 9,2/10

Eu vou ser bem sincera, não esperava entrar nesse álbum e sair tão impressionada com ele. Formula of Love é um álbum extremamente sólido, explorando sonoridades que funcionam o grupo e que tem força por si só. Tem MUITA música boa nesse álbum, onde eu salvei nove das 16 músicas dele e estou extremamente feliz com o resultado final da coisa toda. Twice se propôs a trazer um álbum mais maduro, mesmo que ainda divertido, e fez isso com total maestria, com algumas faixas incríveis que realmente me deixaram de queixo caído.

Mas, claro, como tudo ele também tem seus defeitos. O álbum parece perder um pouco de pulso da metade pra frente, principalmente com as músicas das sub units (que eu sinceramente preferia nem ter ouvido aquela Hello, que dor), e isso é meio triste principalmente para um álbum que começa com músicas tão fortes. De qualquer maneira, ele é coeso mesmo perdendo força com o passar dele, e mesmo com uma falha ou outra da caráter, a maioria das músicas são no mínimo agradáveis.

Twice conseguiu de verdade me fazer calar a boquinha sobre elas com esse lançamento, me dando um álbum coeso, divertido e muito acima da média (além de monstruoso em tamanho, coisa que me deu até alegria na hora de sentar pra escrever sobre). Fico feliz de ver que o grupo está tomando um rumo muito bom com seus lançamentos e refinando tudo o que realmente dá certo para elas. Provavelmente um dos melhores full álbuns do ano.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s